Quem sou eu

Minha foto
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brazil
Somos jovens sonhando com um mundo mais alegre, e com valores de Deus Queremos anunciar a todos a misericordia, o amor e a união que Deus nos dá!!! PAZ E BEM

terça-feira, 6 de março de 2012

Namoro: um dom de Deus!

Uma breve palavra de gratidão a Deus por ter criado o homem e a mulher como imagem e semelhança d'Ele mesmo. Criou-nos no amor e para o amor. Criou-nos com a vocação à complementaridade, à comunhão e à edificação mútua. Bendito seja Deus pela incomensurável beleza do matrimônio e pela ponte que conduz até ele, que é o namoro. Deus quer namoros santos para que aja famílias santas.
 Bendito seja Deus pela "inquieta solidão do homem Adão" que fica vislumbrado, maravilhado diante de Eva, a mulher, ossos dos seus ossos e carne de sua carne. "Crescei e multiplicai-vos, diz o Senhor! Sejais santos como Eu sou santo!" Que o namoro seja também prefiguração do eterno matrimônio de Deus com o seu povo e que se consolidará na Parusia (no último dia). Então já não existirão mais namorados e casados, mas todos seremos "amigos" de Deus, enamorados do Senhor, esposos do Esposo. Que o namoro remeta o coração e a alma a essa lembrança e a essa esperança: só o amor permanecerá.
Nesse sentido vivais como filhos da luz. "Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor. Que o homem carregue no coração a graça da paternidade e que os filhos conheçam a força que brota do amor." Bendito seja Deus pelo namoro dos nossos pais, somos frutos dessa amizade que cresceu, desse amor que amadureceu e os constituiu Família. Bendito seja Deus pelo namoro dos pais de S.Teresinha, de S. Teresa, de S. Francisco, de Gianna Beretta Molla, dos pais do saudoso João Paulo. Bendito seja Deus pelo namoro dos pais do nosso Fundador (Moysés) e da nossa Co-Fundadora (Maria Emmir). O sim deles frutificou em tantas alegrias e em milhares de vidas consagradas a Deus, numa obra santa, presente do céu para cada homem.
 Que os jovens ou maduros casais de namorados se espelhem nesses testemunhos e mais, espelhem-se indispensavelmente, no namoro de São José e da linda e jovem virgem de Nazaré. Quanta pureza e submissão ao Deus que os criou e os vocacionou para tão altíssima Vocação: construir a Sagrada Família de Nazaré. Que eles nos ensinem o caminho do amor, da superação de toda tentação do prazer desregrado, da sensualidade e da posse egoísta um do outro. Que Eles nos ensinem ainda a via da amizade, do Namoro casto e em Deus e da Família capaz de viver o amor até o fim na fidelidade e na alegria.
 Bendito seja Deus pelo namoro dos pais de cada pessoa que, escutando a voz do Senhor, aderiu de todo o coração à vocação ao Celibato e ao Sacerdócio. São felizes quando amam de maneira incondicional e com todo o ser, na exclusividade de um seguimento mais inteiramente disponível, ao Deus da vida que enamora e apaixona os nossos corações. Bendito seja Deus pelo namoro dos pais de cada Sacerdote que, com suas renúncias próprias e sua esponsalidade com o Senhor e sua Igreja, embelezam e encorajam os jovens enamorados para que construam Famílias Santas e filhos felizes que descubram o desígnio de Deus.

 Bendito seja Deus pela Comunidade Católica Shalom, que em seu seio, acolhe, desenvolve e cuida de conduzir ao Senhor cada vocação, cada vida que deseja tudo dar pela vontade de Deus. Bendito seja Deus pela profecia das Famílias renovadas em nossa vocação, como também nas novas Comunidades, evangelizando com o testemunho da vida consagrada nos três estados de vida. Que o Senhor nos preserve dos enganos do mundo, das seduções e maquinações do sensualismo, do desespero por se considerar uma pessoa sem valor pelo fato de se "estar sozinha", do medo de não contemplarmos em nossas vidas o cumprimento das promessas de Deus.
 Acreditamos que é possível se viver um namoro santo, casto, voltado para os valores verdadeiros e autênticos. Acreditamos que é possível viver a plenitude do amor, dentro do namoro, nos gestos do cuidado, da doação, da oferta de vida, da promoção do outro, não deixando assim sere arrastados por esta cultura da banalização do sexo e do corpo, dons de Deus e que correspodem à finalidade do amor conjugal. Que o Senhor nos faça viver amizades santas, livres, despretensiosas e que o namoro não seja o centro, uma idolatria do outro, mas uma ponte para que o projeto de Deus se consolide em nós e para que tudo seja fonte de benção um para o outro, e ambos para os outros. Bendito seja Deus pela vocação ao namoro, por cada Maria e cada José do nosso tempo que continuam acreditando na castidade, no pudor, na beleza e pureza do namoro, na família e na evangelização do mundo através de namoros santos, casais santos e Famílias Santas. Obrigado Senhor, pelo dom do namoro!


- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -
por Antonio Marcos - Comunidade de Vida Shalom ,
Comunidade Católica Shalom

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Santa Luzia


Santa Luzia O nome de Santa Luzia deriva do latim e significa: Portadora da luz. Ela é invocada pelos fiéis como a protetora dos olhos, que são a "janela da alma", canal de luz.

Ela nasceu em Siracusa (Itália) no fim do śeculo III. Conta-se que pertencia a uma família italiana e rica, que lhe deu ótima formação cristã, a ponto de ter feito um voto de viver a virgindade perpétua. Com a morte do pai, Luzia soube que sua mãe, chamada Eutícia, a queria casada com um jovem de distinta família, porém, pagão.

Ao pedir um tempo para o discernimento e tendo a mãe gravemente enferma, Santa Luzia inspiradamente propôs à mãe que fossem em romaria ao túmulo da mártir Santa Águeda, em Catânia, e que a cura da grave doença seria a confirmação do "não" para o casamento. Milagrosamente, foi o que ocorreu logo com a chegada das romeiras e, assim, Santa Luzia voltou para Siracusa com a certeza da vontade de Deus quanto à virgindade e quanto aos sofrimentos pelos quais passaria, assim como Santa Águeda.

Santa Luzia vendeu tudo, deu aos pobres, e logo foi acusada pelo jovem que a queria como esposa. Não querendo oferecer sacrifício aos falsos deuses nem quebrar o seu santo voto, ela teve que enfrentar as autoridades perseguidoras. Quis o prefeito da cidade, Pascásio, levar à desonra a virgem cristã, mas não houve força humana que a pudesse arrastar. Firme como um monte de granito, várias juntas de bois não foram capazes de a levar (Santa Luzia é muitas vezes representada com os sobreditos bois). As chamas do fogo também se mostravam impotentes diante dela, até que por fim a espada acabou com vida tão preciosa. A decapitação de Santa Luzia se deu no ano de 303.

Conta-se que antes de sua morte teriam arrancado os seus olhos, fato ou não, Santa Luzia é reconhecida pela vida que levou Jesus - Luz do Mundo - até as últimas consequências, pois assim testemunhou diante dos acusadores: "Adoro a um só Deus verdadeiro, e a Ele prometi amor e fidelidade".


Santa Luzia, rogai por nós!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Nossa Senhora de Guadalupe

Nossa Senhora de Guadalupe


Nossa Senhora de GuadalupeNum sábado, no ano de 1531, a Virgem Santíssima apareceu a um indígena que, de seu lugarejo, caminhava para a cidade do México a fim de participar da catequese e da Santa Missa enquanto estava na colina de Tepeyac, perto da capital. Este índio convertido chamava-se Juan Diego (canonizado pelo Papa João Paulo II em 2002).

Nossa Senhora disse então a Juan Diego que fosse até o bispo e lhe pedisse que naquele lugar fosse construído um santuário para a honra e glória de Deus.

O bispo local, usando de prudência, pediu um sinal da Virgem ao indígena que, somente na terceira aparição, foi concedido. Isso ocorreu quando Juan Diego buscava um sacerdote para o tio doente: "Escute, meu filho, não há nada que temer, não fique preocupado nem assustado; não tema esta doença, nem outro qualquer dissabor ou aflição. Não estou eu aqui, a seu lado? Eu sou a sua Mãe dadivosa. Acaso não o escolhi para mim e o tomei aos meus cuidados? Que deseja mais do que isto? Não permita que nada o aflija e o perturbe. Quanto à doença do seu tio, ela não é mortal. Eu lhe peço, acredite agora mesmo, porque ele já está curado. Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao Bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é meu embaixador e merece a minha confiança. Quando chegar diante dele, desdobre a sua "tilma" (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém, só em sua presença. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu, nada omita..."

O prelado viu não somente as rosas, mas o milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, pintada prodigiosamente no manto do humilde indígena. Ele levou o manto com a imagem da Santíssima Virgem para a capela, e ali, em meio às lágrimas, pediu perdão a Nossa Senhora. Era o dia 12 de dezembro de 1531.

Uma linda confirmação deu-se quando Juan Diego fora visitar o seu tio, que sadio narrou:"Eu também a vi. Ela veio a esta casa e falou a mim. Disse-me também que desejava a construção de um templo na colina de Tepeyac e que sua imagem seria chamada de 'Santa Maria de Guadalupe', embora não tenha explicado o porquê". Diante de tudo isso muitos se converteram e o santuário foi construído.

O grande milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é a sua própria imagem. O tecido, feito de cacto, não dura mais de 20 anos e este já existe há mais de quatro séculos e meio. Durante 16 anos, a tela esteve totalmente desprotegida, sendo que a imagem nunca foi retocada e até hoje os peritos em pintura e química não encontraram na tela nenhum sinal de corrupção.

No ano de 1971, alguns peritos inadvertidamente deixaram cair ácido nítrico sobre toda a pintura. E nem a força de um ácido tão corrosivo estragou ou manchou a imagem. Com a invenção e ampliação da fotografia descobriu-se que, assim como a figura das pessoas com as quais falamos se reflete em nossos olhos, da mesma forma a figura de Juan Diego, do referido bispo e do intérprete se refletiu e ficou gravada nos olhos do quadro de Nossa Senhora. Cientistas americanos chegaram à conclusão de que estas três figuras estampadas nos olhos de Nossa Senhora não são pintura, mas imagens gravadas nos olhos de uma pessoa viva.

Declarou o Papa Bento XIV, em 1754: "Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros... uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja... Deus não agiu assim com nenhuma outra nação".

Coroada em 1875 durante o Pontificado de Leão XIII, Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada "Padroeira de toda a América" pelo Papa Pio XII no dia 12 de outubro de 1945.

No dia 27 de janeiro de 1979, durante sua viagem apostólica ao México, o Papa João Paulo II visitou o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe e consagrou a Mãe Santíssima toda a América Latina, da qual a Virgem de Guadalupe é Padroeira.


Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Nossa Senhora da Imaculada Conceição

Mais do que memória ou festa de um dos santos de Deus, neste dia estamos solenemente comemorando a Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a Rainha de todos os santos.

Esta verdade, reconhecida pela Igreja de Cristo, é muito antiga. Muitos padres e doutores da Igreja oriental, ao exaltarem a grandeza de Maria, Mãe de Deus, usavam expressões como: cheia de graça, lírio da inocência, mais pura que os anjos.

A Igreja ocidental, que sempre muito amou a Santíssima Virgem, tinha uma certa dificuldade para a aceitação do mistério da Imaculada Conceição. Em 1304, o Papa Bento XI reuniu na Universidade de Paris uma assembleia dos doutores mais eminentes em Teologia, para terminar as questões de escola sobre a Imaculada Conceição da Virgem. Foi o franciscano João Duns Escoto quem solucionou a dificuldade ao mostrar que era sumamente conveniente que Deus preservasse Maria do pecado original, pois a Santíssima Virgem era destinada a ser mãe do seu Filho. Isso é possível para a Onipotência de Deus, portanto, o Senhor, de fato, a preservou, antecipando-lhe os frutos da redenção de Cristo.

Rapidamente a doutrina da Imaculada Conceição de Maria, no seio de sua mãe Sant'Ana, foi introduzido no calendário romano. A própria Virgem Maria apareceu em 1830 a Santa Catarina Labouré pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: "Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós".

No dia 8 de dezembro de 1854, através da bula Ineffabilis Deus do Papa Pio IX, a Igreja oficialmente reconheceu e declarou solenemente como dogma: "Maria isenta do pecado original".

A própria Virgem Maria, na sua aparição em Lourdes, em 1858, confirmou a definição dogmática e a fé do povo dizendo para Santa Bernadette e para todos nós: "Eu Sou a Imaculada Conceição".

Nossa Senhora da Imaculada Conceição, rogai por nós!

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

“Ser jovem significa descobrir coisas que não passam com o correr dos anos” (Papa Bento XVI)




“A verdadeira juventude, não é uma questão de idade, de vigor físico, de forma física, de eficiência. Teoricamente, a juventude deve ser sinônimo de alegria, mas nem sempre é assim. Existem, infelizmente, muitos jovens que são velhos dentro, que se arrastam, mesmo quando possuem bens como a cultura, um emprego satisfatório, relações sociais e perspectivas”, disse.

“Sejam unidos, ajudem-se a viver e crescer na fé e na vida cristã, mas não se fechem; sejam humildes, mas não alienados; sejam simples, mas não ingênuos. Pensem, mas não sejam complicados; dialoguem com todos, mas continuem si mesmos”, disse o Papa, exortando os jovens.

Para Bento XVI, que tem 81 anos, “ser jovem significa descobrir coisas que não passam com o correr dos anos”. E continuou: “Quando um jovem descobre os valores verdadeiros e nobres, não envelhece nunca, mesmo que o corpo siga as leis da natureza. Permanece jovem sempre no coração e irradia juventude, ou seja, bondade, porque a bondade prescinde do passar do tempo”.

“Podemos dizer que somente quem é bom e generoso é realmente jovem”, disse. Assim, pediu a eles que sejam jovens ‘fora de moda’: “As modas passam rapidamente, são uma corrida frenética. A juventude da bondade, ao contrário, fica para sempre. Aliás, será perfeita e resplandecente no Céu, com Deus”, recordou.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Seguidores e admiradores de Cristo


Seguir a Cristo é penetrar no caminho do amor

Qual é a importância dos santos? Eles são nossos intercessores diante do trono de Deus. Mas também e, em primeiro lugar, eles são os grandes modelos para nossa vida. Querem ser nossos guias no caminho para Deus Pai. Agora, de onde os santos tiram a força para viver sua vida de maneira exemplar? Qual é o mistério de sua vida?
O mistério de sua vida chama-se Jesus Cristo. O mistério de sua vida é: seguir a Cristo por todos Seus caminhos. Desde que foram chamados pelo Senhor O seguiram generosa e fielmente, cumprindo sua missão. Muitos, inclusive, foram a países distantes e desconhecidos para anunciar a mensagem de seu Mestre.
Seguir a Cristo é e deve ser o mistério de vida de cada cristão, também de cada um de nós. Porque toda a predicação de Jesus é um convite para segui-Lo, e está dirigida - como sabemos - a cada ser humano. Também nós, em nosso batismo, fomos chamados, pela primeira vez, a imitar Cristo. E desde então, Deus repetiu e renovou esse convite muitas vezes e de muitas maneiras. Também hoje em dia Deus volta a nos chamar de diversas maneiras.
Podemos distinguir duas classes de cristãos: os seguidores e os admiradores de Cristo. O admirador não compromete sua pessoa: admira, olha de fora e não se esforça em ser como o que admira. O seguidor, ao contrário, é ou procura ser o que admira.

Jesus mesmo insiste sempre em que é necessário segui-Lo. Jamais diz que busca admiradores. Deixa bem claro que os Seus devem segui-Lo em sua vida e não só aceitar a doutrina d'Ele. Porque uma fé que não se traduz em vida, não vale nada nem consegue nos proteger da perdição eterna.

Como podemos seguir Jesus? A condição fundamental para a imitação do Senhor é o encontro pessoal com Ele. Para poder e querer segui-Lo temos de conhecê-Lo, olhando Sua vida e escutando Seus ensinamentos. Se não O conhecemos, se não sabemos nada de Sua generosidade, nem de Sua entrega desinteressada, nem de Seu amor desbordante para conosco, nunca vamos ter vontade de segui-Lo verdadeiramente.
Não temos a sorte dos apóstolos de ter nascido em tempos de Jesus. Entretanto existem muitos caminhos, muitos lugares de encontro com Cristo se O buscamos sinceramente. Ali está, por exemplo, na Eucaristia que celebramos juntos. No Evangelho, Jesus fala pessoalmente a cada um de nós. E na comunhão, Ele mesmo nos convida a comer Seu Corpo e tomar Seu Sangue, entrando assim na mais profunda comunhão com Ele.
Seguir Cristo é penetrar no caminho do amor. Mas quem começa a amar, começa a sofrer. E Jesus nunca ocultou que O seguir é duro. Não oferece segurança, mas sim risco. Não nos oferece caminhos de triunfo, mas sim o "fracasso" da cruz, porque quem O segue, aceita também a sorte de Seu Mestre: o sofrimento e a cruz.

Na vida de nossos santos tampouco faltou dor e sofrimento. Aceitaram-nos por amor a Cristo. E seguiram a seu Mestre até a última entrega: coroaram sua vida pelo martírio.
Seguir Cristo inclui sofrimento e cruz, mas também nos enche de uma alegria profunda e uma paz permanente. E no fim do caminho nos espera, em comunhão com todos os santos, a felicidade de Cristo para sempre.
Padre Nicolás Schwizer
Movimento apostólico Shoenstatt

fonte:http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=12568

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

São Martinho de Tours

São Martinho de Tours Hoje celebramos a memória do Bispo São Martinho, que tornou-se intercessor e modelo de apostolado para todos nós.

Nasceu em 316 na Panônia (atual Hungria), numa família pagã que da parte do pai (oficial do exército romano) fez de Martinho um militar, enquanto o Pai do Céu o estava fazendo cristão, já que começou a fazer o Catecumenato.

Certa vez quando militar, mas ainda não batizado, Martinho partiu em duas partes seu manto para dá-lo a um pobre, e assim Jesus aparece-lhe durante a noite e disse-lhe: "Martinho, principiante na fé, cobriu-me com este manto". Então este homem de Deus foi batizado e abandonou a vida militar para viver intensamente a vida religiosa e as inspirações do Espírito Santo para sua vida.

Com a direção e ajuda do Bispo Hilário, Martinho tornou-se monge, Diácono, fundador do primeiro mosteiro na França e depois sacerdote que formava os seus "filhos" para a contemplação e ao mesmo tempo para a missão de evangelizar os pagãos; diferenciando-se com isso dos mosteiros do Oriente.

Por ser fiel no pouco, São Martinho recebeu o mais, que veio com a sua Ordenação para Bispo em Tours. Isto não o impediu de fundar ainda muitos outros mosteiros a fim de melhor evangelizar sua Diocese. Entrou no Céu em 397.

São Martinho de Tours, rogai por nós!
Ocorreu um erro neste gadget